6 de mar de 2010

Tia Deni

Outro dia, por acaso, encontrei tia Denise e Peu - meu primo - na hora do almoço, no Quilombo, lá do lado do trabalho. Chegamos juntos, almoçamos juntos, na hora de sair ela pegou as nossas comandas e pagou, ao que agradeci, disse que não precisava e tal.
Hoje ela apareceu lá novamente (ela trabalha perto) e eu estava sozinho almoçando. Já estava perto do fim. Passou, me cumprimentou, e foi servir o prato.
Quando eu terminei tudo, tinha acabado de tomar o último gole do suco, inclusive, e ia levantando, ela chegou com o prato servido para sentar na minha mesa.
- Deixa eu aproveitar sua mesa que é arejada, aqui!
- Poxa, tia. Mas agora eu tenho que ir embora. Tô cheio de coisas para fazer, lá.
Realmente estava. Semana que vem vou estar destacado em Brasília, e tinha coisas a terminar/entregar antes disso. Nisso ela levanta:
- Me dê o papelzinho da conta, aí, que eu pago.
- Que é isso, tia! Nem almoçamos juntos ao menos! Não precisa, não.
Ela veio me cercando, parecendo um marcador de basquete, tentando pegar o papel na minha mão.
- Me dê! Deixe de besteira!
- Não precisa!
- Meu cartão alimentação tá cheio de dinheiro!
- Mesmo assim...
Nisso a minha carteira acabou caindo no chão, e ela pegou o papel na minha mão com a distração.
- Vamos lá que eu vou falar com a menina que pode te liberar, que eu tô ficando com o seu papel.
- Então tá.
- Oi! Pode deixar ele ir que eu tô ficando com a comanda dele. Quando eu for saindo eu pago.
- Tudo bem!
No que eu viro para a menina - uma loirinha gata que atende lá:
- Essa coroa, rapaz! Vive me paquerando! Agora até para pagar minhas contas inventou de dar...
A loirinha ficou olhando sem jeito. Tia Deni, não:
- Idiota!
- Brincadeira! É minha tia!