30 de dez de 2009

Antiquado

Lá estava eu, no avião, sentado à janela. Filas de três cadeiras. Ao meu lado uma mulher, que não era mãe dele, e na cadeira contígua ao corredor, um menino de seus dez, onze anos.
Exceto quando estou com algum livro interessante, mantenho meu velho hábito de comprar uma meia dúzia de revistinhas da Turma da Mônica para viagens. E diversas vezes, em ônibus para Conquista, compartilhei as revistinhas com algum moleque que, por sorte, sentava ao meu lado.
Daí que ofereci para o menino:
"Quer uma revista?"
Ele, meio sem jeito:
"É, pode ser..."
E olhou com uma cara de criança que não ganhou brinquedo no natal.
Folheou a revista, meio desinteressadamente. Em poucos minutos me devolveu.
"Brigado!"
Sacou um videogame super "tchans" da mochila e começou a jogar animadamente, e a mostrar alguma coisa para a mulher que estava entre nós.

Confesso que fiquei meio com vergonha. Não empresto nunca mais revistinha - se algum moleque quiser, que se manifeste!